Viagem do Conhecimento

Viagem do Conhecimento

Desafio National Geographic

Organizada Pela Última vez em 2015

O que é

A Viagem do Conhecimento é a maior competição de geografia do país, por isso é tida como a "olimpíada brasileira de geografia". Ela é dividida em três fases: Primeira Fase: As provas contendo vinte e cinco questões de múltipla escolha são aplicadas pelas próprias escolas aos seus alunos. A duração da prova é de duas horas e meia. Para a segunda fase são classificados os alunos que obtiverem dezoito acertos ou mais.

Segunda Fase: A prova acontece na sede regional (qualquer escola pode se candidatar voluntariamente a sede regional). Nesta fase a prova possui vinte e cinco questões múltipla escolha, além de uma questão dissertativa, que deverão ser realizados em três horas. Para a terceira fase são chamados os treze melhores alunos da segunda fase.

As 13 vagas dos finalistas serão assim distribuídas, levando-se em conta a divisão regional do território brasileiro formulada pelo IBGE: dois estudantes da região Sul; dois estudantes da região Centro-Oeste; dois estudantes da região Norte; três estudantes da região Nordeste; e quatro estudantes da região Sudeste. Haverá ao menos quatro estudantes de escola pública municipal ou estadual entre os treze finalistas.

Terceira Fase: Esta fase será realizada em uma cidade do Brasil que ainda será divulgada pela comissão organizadora, sendo geralmente o Rio de Janeiro. Para esta, os treze finalistas levarão consigo dois acompanhantes (professor indicado na inscrição e um responsável). Todos os custos serão arcados pela organização.

Nesta fase, haverá uma prova de 20 testes de múltipla escolha, com uma hora e meia de duração; logo em seguida, os finalistas realizarão atividades previstas no Caderno de Campo da edição, que inclui o conhecimento dos pontos que marcaram aspectos históricos, geográficos e sociais da cidade em questão. Tudo isto, ao lado de alunos com os mesmos interesses, organizadores da olimpíada, fotógrafos e professores de história e geografia que serão os guias. Após esta "viagem do conhecimento", os finalistas serão avaliados com uma dissertação acerca do que conheceram nas atividades de campo, o que poderá ser feito em duas horas.

 

Quem pode participar

A olimpíada possui um único nível, o qual é destinado a alunos do oitavo e nono anos do fundamental e da primeira série do ensino médio de escolas públicas ou privadas.  

Como se inscrever

A inscrição é feita por intermédio da escola. Esta deve se inscrever através do site da olimpíada. Alunos não podem se inscrever individualmente. As inscrições das escolas devem ser feitas pelo professor de Geografia, coordenador pedagógico, vice-diretor ou diretor. Este educador passa então a ser o responsável por todas as atividades do concurso na escola.

As inscrições ainda não foram abertas para a edição do ano corrente, mas é possível fazer um pré-cadastro da escola.

 

Como estudar

Como forma de estudo é indicado que o aluno faça as provas anteriores. Além disso, baseado no que é abordado pela olimpíada é muito interessante que o aluno acumule o máximo de leitura e conhecimentos gerais e de atualidades. Para isso, tente ler jornais, revistas e livros. Tente também conversar sobre assuntos atuais com amigos, adultos ou professores. Embora seja popularmente "a olimpíada de geografia", a prova abrange temas da área de humanas em geral. Enquanto algumas questões envolvem basicamente interpretação de textos, outras requerem maior conhecimento de uma disciplina, ou até mesmo o conhecimento de uma matéria da Revista National Geographic. A seção "Como se preparar" no site da olimpíada apresenta algumas dicas para a prova e matérias interessantes que geralmente são temas de dissertações ou de questões. Também são apresentadas dicas  no Guia para Educadores e informações importantes na acerca de habilidades requisitadas para a prova na Matriz de Referência.

Primeira Fase: Além de refazer as provas anteriores, é importante prestar bastante atenção nos enunciados das questões, que muitas vezes apresentam cobrando mais os conhecimentos sobre o mundo contemporâneo, noções de tempo-espaço e especialmente  reflexão, muitas vezes relacionada a situações-problema. Os enunciados apresentarão desafios ou situações-problema com o apoio de informações presentes em textos, mapas, tabelas, gráficos, documentos históricos e outros, sobre os quais são formuladas as perguntas. Desse modo, é útil se aprofundar nos temas quando se pretende adiantar os conteúdos para a Segunda Fase.

Segunda Fase: As questões de múltipla escolha são semelhantes às da Primeira Fase, contudo, podem necessitar de um conhecimento mais aprofundado e da leitura de algumas matérias da Revista National Geographic.

Como a concorrência para a Fase Final é muito grande (na última edição, cerca de 50 mil alunos fizeram a prova regional, enquanto apenas 13 classificaram-se), um erro pode determinar uma desclassificação, sendo recomendada então, para que os erros sejam minimizados (a nota de corte para a correção da redação segue a faixa de 24 acertos),  a leitura das matérias da Revista National Geographic. Caso não se tenha acesso às revistas, é possível acompanhar as reportagens pelo site da National Geographic e pelo site Planeta Sustentável. Geralmente é bom ler reportagens que datam de um ano antes da prova.

A dissertação praticamente define os finalistas. Portanto, é bom conhecer o tema, o que pode ser feito normalmente através de aulas, jornais, revistas ou livros. Como o tema sempre é retirado de uma matéria da National Geographic, a leitura dessa revista geralmente garante o conhecimento necessário. O enunciado apresentará desafio ou situação-problema com o apoio de informações presentes em textos, mapas, tabelas, gráficos, documentos históricos e outros, sobre os quais serão formuladas as perguntas. Serão valorizadas na prova habilidades de escrita como clareza, organização e coerência de texto; identificar, selecionar, problematizar e aplicar conhecimentos; bem como analisar, argumentar e avaliar. Sendo assim, o conteúdo do texto (demonstração de conhecimento sobre o tema, relações com conceitos geográficos e com momentos históricos) é mais importante do que sua estrutura, mas uma boa estrutura é um detalhe que pode garantir uma classificação. É útil saber os critérios de correção da redação de edições passadas.

Terceira Fase: O intuito da Fase Final não é determinar vencedores, mas sim proporcionar a verdadeira viagem do conhecimento, com a interação de alunos de cada parte do país e levando-os a descobrir novos lugares, despertando o interesse dos mesmos para a área de humanas.

A etapa objetiva da prova é semelhante à da Fase Regional, talvez com algumas questões um pouco mais complexas, mas as recomendações são as mesmas.

Como a fase final é mais informativa e construtora de conhecimentos, o tema da dissertação aborda o que foi visto durante as Atividades de Campo. É possível fazer uma boa redação prestando atenção ao que foi discutido nos passeios, mas algum conhecimento prévio sobre a cidade pode também pode ser útil. O trabalho de campo realizado previamente terá um roteiro de visitação e observação de determinados espaços, previamente preparado com o apoio de informações presentes em textos, mapas, tabelas, gráficos, documentos históricos e outros. A elaboração da questão dissertativa busca valorizar habilidades como as de observar, localizar e descrever objetos, registrar e classificar informações, estabelecer relações e apresentar conclusões. Confira os critérios de correção da dissertação da edição passada.

As atividades pedagógicas, geralmente em grupos, buscam análises e discussões do fenômeno observado como forma de avaliar o que é aprendido.

O finalista da edição de 2012/2013, Felipe Hoffman, fez dois vídeos com dicas para as provas, que são recomendados por nós: Como estudar para a Olimpíada Brasileira e Geografia - Viagem do Conhecimento - 1ª e 2ª Fases e Como estudar para a Olimpíada Brasileira e Geografia - Viagem do Conhecimento - 3ª Fase.

 

Provas anteriores

Através deste link é possível acessar as provas anteriores. Confira a lista abaixo:

Edição de 2008:

Primeira Prova - Gabarito

Segunda Prova - Gabarito

Terceira Prova - Gabarito

Caderno de Campo

Dissertação

Edição de 2009:

Primeira Prova - Gabarito

Segunda Prova - Gabarito

Terceira Prova - Gabarito

Caderno de Campo

Dissertação

Edição de 2010:

Primeira Prova - Gabarito

Segunda Prova - Gabarito

Terceira Prova - Gabarito

Caderno de Campo

Dissertação

Edição de 2011:

Primeira Prova - Gabarito

Segunda Prova - Gabarito

Terceira Prova - Gabarito

Caderno de Campo

Dissertação - Resposta esperada

Atividades: Jardim Botânico - Corcovado

Edição de 2012/2013:

Primeira Prova - Gabarito

Segunda Prova - Gabarito

Terceira Prova - Gabarito

Caderno de Campo

Dissertação

Atividade no Corcovado

 

 

Premiações

A principal premiação desta olimpíada é ser chamado para a terceira fase, até mesmo pela relação candidatos/finalistas. Nesta etapa, além da prova e do Trabalho de Campo, os finalistas desfrutam de três dias em um maravilhoso hotel, participam de jantares, passeios, programações culturais pelos principais pontos turísticos, fazem amizades, conhecem pessoas de renome e participam da inesquecível cerimônia de premiação, além de receberem alguns brindes. Todos os finalistas ganham a mesma medalha de finalista, sem distinção entre ouro, prata e bronze. Mas os três alunos com mais destaque (notas relativas às duas últimas fases) são divulgados.