OBI

OBI

Olimpíada Brasileira de Informática

Estes textos foram retirados do site da OBI, com pequenas alterações. como negritos, itálicos e sublihados, feitas pelo "Olimpíadas Científicas".

Organização

A organização da OBI está a cargo do Instituto de Computação da UNICAMP.

Modalidades

A OBI está organizada em duas modalidades:

  • Modalidade Iniciação:
    • Nível 1, para alunos até o sétimo ano do Ensino Fundamental, e
    • Nível 2, para alunos até o nono ano do Ensino Fundamental;
  • Modalidade Programação:
    • Nível Júnior, para alunos do Ensino Fundamental,
    • Nível 1, para alunos até o segundo ano do Ensino Médio e
    • Nível 2, para alunos até o terceiro ano do Ensino Médio ou que tenham concluído o Ensino Médio até dezembro do ano anterior ao da competição (mesmo universitário).

Em todas as modalidades os alunos competem individualmente. Cada aluno poderá estar inscrito em apenas uma modalidade.

 

Modalidade Iniciação - Nível 1 e Nível 2

Na modalidade Iniciação os alunos concorrem resolvendo problemas de lógica e problemas de computação, sem uso de computador, apenas utilizando lápis e papel. O objetivo desta modalidade é despertar o gosto por problemas de computação e detectar talentos potenciais para programação.

Modalidade Programação - Nível Júnior, Nível 1 e Nível 2

A prova da modalidade Programação exige conhecimento em programação; é necessário prover computadores para os participantes, na ocasião da prova. A prova é composta de tarefas de programação com níveis variados de dificuldade: há tarefas mais fáceis, em que um conhecimento mínimo de programação é suficiente, e algumas tarefas mais difíceis, que exigem um conhecimento um pouco mais avançado de programação, com noções de estruturas de dados, em um nível normalmente ensinado em bons colégios técnicos, ou no primeiro ano de cursos superiores de computação ou engenharia.

Premiação

Todos os participantes receberão certificados de participação. Os melhores colocados de cada modalidade receberão ainda medalhas de ouro, prata e bronze.

Os melhores colocados das duas modalidades (Iniciação e Programação) serão convidados para uma semana de cursos no Instituto de Computação da UNICAMP. Os alunos da modalidade Iniciação participarão de Cursos de Introdução à Programação; os alunos da modalidade Programação participarão de Cursos de Programação Avançada. Os cursos serão ministrados no Instituto de Computação da UNICAMP, e acontecerão em datas divulgadas oportunamente. Para os alunos da modalidade Programação nível 2, haverá, durante o Curso de Programação Avançada, uma seleção para escolher os quatro alunos integrantes da equipe brasileira na IOI. A IOI é um evento já tradicional que conta com a participação de mais de 70 países;

Um ótimo texto retirado do site da OBI

Como Abordar um Problema de Programação<br /> <br /> 

Vinícius José Fortuna(aluno de mestrado do IC-UNICAMP, participante da IOI 99)

Projete seu programa antes de programá-lo
Nunca comece a programar a partir do nada. Deve-se sempre esquematizar alguns pseudo-códigos explicando o que o seu programa vai fazer (em um nível mais elevado) antes de começar a programar. A única exceção é quando se trata de um código que você já escreveu diversas vezes (p/ ex.: encontrar um elemento em um vetor).

Quando se começa a escrever um programa sem ter pensado nele antes, fica difícil visualizá-lo como um todo. Criando um rascunho prévio do programa, podem aparecer várias abordagens do problema e as dificuldades ficam mais fáceis de serem superadas. Esquematizar o programa ajudar a fixar exatamente o que se deseja e economiza-se bastante tempo em frente ao monitor na tentativa de escrever um programa que cumpra o desejado. Escreva um código legível
Escrever um código legível é muito importante para facilitar o entendimento de um programa. Até para o próprio criador do código. Em programa claro e auto-explicativo fica mais difícil se perder e torna muito mais fácil a depuração.

Comente seu código enquanto escreve, não depois
Comentários são ferramentas muito úteis para tornar o código mais legível. É interessante comentar tudo que não seja muito claro. Não comente algo que seja óbvio (p/ ex.: "i := 0 { Atribui o valor 0 à variável i }" ). Comente algo como: "x:= 40 - Lenght(frase)/2 { x recebe a posição para frase ficar centralizada }".

Em programa muito grandes ou complicados, é interessante criar um cabeçalho comentado em cada função, definindo exatamente o que espera-se que ela faça, quais suas entradas e quais suas saídas. O pseudo-código rascunhado pode ser muito útil para isso. Agindo assim, não se precisa ler diversas linhas de código para saber o que uma função faz. É recomendável que se escreva os comentários enquanto se escreve o programa, pois é menos provável que se escreva alguma coisa útil ou significativa depois. Escreva enquanto programa e seus comentários serão muito mais completos. Utilize margens e indentação apropriadamente
A cada novo loop, expressões condicionais, definição de funções e blocos de comandos, seu código deve ser indentado um nível mais à direita (pressione [TAB] ou a barra de espaço algumas vezes). Esteja certo de voltar ao nível de indentação anterior quando terminar o bloco.

Linhas em branco também são muito úteis para aumentar a legibilidade do seu código. Umas duas linhas entre as definições de funções e procedimentos e uma linha entre a definição de variáveis e o código irão separar claramente cada parte, o que torna a identificação delas mais rápida. Isso torna o código bem mais claro. Use nomes sugestivos para variáveis, funções e procedimentos
O código fica incrivelmente mais difícil de ser depurado quando variáveis importantes se chamam p, t, ma1, qq, e assim por diante. Deve-se sempre utilizar nomes sugestivos para as variáveis, funções e procedimentos. O nome deve dar idéia do que a variável representa ou o que a função ou procedimento fazem. Por exemplo, se você quer armazenar o número de alunos em uma variável, pode-se usar um_alunos. Se for uma função que calcula o salário médio, pode-se nomeá-la

Utilize funções e procedimentos curtos e objetivos
Evite sempre funções/procedimentos grandes que englobem todo tipo de processamento. Separe algoritmos distintos em suas próprias funções/procedimentos. Projete sua grande função/procedimento em várias pequenas, de forma que seu programa fique mais fácil de ler e entender.

Dessa forma, cada parte do seu programa fica bem definida e torna-se muito mais fácil escrevê-lo, pois pode-se fazê-lo passo a passo. Dessa forma, a cada parte que se termina, pode-se verificar se ela está correta. Além disso a localização de um problema no programa também fica facilitada, pois ele se restringirá a um bloco menor de código. Conclusão:
Lembre-se que a maior parte do tempo que se gasta programando é corrigindo e modificando código

existente. Relativamente pouco tempo é realmente utilizado para adicionar coisas novas. Isso significa que você gastará muito tempo lendo o seu código, então faz sentido gastar algum tempo aprendendo a escrever um código legível. Código legível é fácil de escrever, fácil de depurar e fácil de manter. Você realmente sai ganhando! Se estiver confuso na hora da depuração
Se você estiver confuso ao tentar procurar algum problema no seu programa, tente explicá-lo para você mesmo. Dessa forma é possível notar inconsistências ou fugas ao algoritmo planejado.

Caso isso não resolva, pode-se tentar executar o programa no papel. Isso se aplica tanto a códigos que você escreveu e não está mais entendendo como a códigos pegos de outros. Funciona da seguinte maneira: Pegue uma folha em branco e liste todas as variáveis usadas no programa. Siga linha por linha do código, escrevendo o valor das variáveis enquanto elas mudam, como se você fosse o computador. Pode-se usar uma calculadora para ajudar nas contas. Anote todas as saídas em uma folha à parte. Após algumas poucas iterações a estrutura básica do algoritmo e sua intenção devem ficar claras. Tome cuidado, pois nem sempre o código funciona do jeito que nós pensamos que funciona. Guia prático para resolução de problemas de programação

1) Entender o problema

Esteja certo de que tenha entendido o problema; O que é a entrada? O que é a saída?

2) Resolver o problema à mão

Resolva pequenas instâncias do problema à mão; O que acontece? Pense em casos variados; Pense em como (qual algoritmo) você utilizou para resolver o problema.

3) Definir o algoritmo

Defina precisamente o algoritmo a ser utilizado Rascunhe as etapas do programa

4) Programar

Como escrever o algoritmo na linguagem utilizada? Que estrutura de dado utilizar?1 Divida o programa em partes menores (modularizar); Escreva um programa de fácil leitura; Pense nos casos patológicos.2

4) Depurar

Explique o programa para si mesmo; Por que funciona? A leitura de dados está sendo feita corretamente? Variáveis inicializadas? Verificar casos patológicos; Localizar o erro restringindo os blocos de códigos (cercando o erro) Comandos e loops aninhados corretamente?

Observações:
1) Que estrutura utilizar?

Qual a melhor forma de representar as variáveis do problema. Variáveis simples? Vetores? Matrizes? Registros? Alguns vetores? Vetores de registro? Registros de vetores? São muitas as estruturas utilizáveis. Deve-se escolher uma que seja conveniente e que não venha trazer complicações mais adiante. 2) Pense nos casos patológicos Os casos patológicos ocorrem quando a propriedade que seu programa utiliza não vale para alguns valores. Normalmente são o zero, um, valores iniciais ou finais. Por exemplo, em uma função que calcula a potência de um número n pelo expoente e. Para isso pode-se multiplicar o número n e vezes. Nesse caso pode-se ter problemas quando o valor de e for zero, caso que deve ser tratado especialmente (considerando a resposta padrão como 1, por exemplo). Para ilustrar melhor, imagine o caso em que deseja-se verificar se um vetor está ordenado em ordem não-decrescente. Para isso basta verificar se v[n]<=v[n+1] para todos os elementos, exceto o último, pois para ele essa propriedade não tem sentido. Os casos patológicos são causa de grande parte dos problemas, especialmente quando se trabalha com ponteiros. Referências

www.gamedev.net Skiena, Steven S. "The Algorithm Design Manual", Telos, 1997





Fonte: http://olimpiada.ic.unicamp.br/info_geral

 

O que estudar

Nós recomendamos : Estudo informática, IOI.